Terminal portuário da VLI em Santos é totalmente integrado à ferrovia e aposta de agilidade no escoamento do agronegócio; operação carregou 26,5 mil toneladas de milho da Bunge

Foi finalizado nesta terça-feira (17), o primeiro embarque de navio do Tiplam (Terminal Integrador Portuário Luiz Antonio Mesquita), porto que está sendo ampliado pela VLI na área continental de Santos. A primeira operação com produto de origem vegetal da nova estrutura embarcou carga de 26,5 mil toneladas de milho da Bunge, uma das principais empresas de agronegócio e alimentos do país. O navio Chamchuri Naree, de 177 metros de comprimento, havia atracado no berço 2 do Tiplam no último sábado (14).

Localizado no Canal de Piaçaguera, o Tiplam é um projeto cujos investimentos giram em torno de R$ 2,7 bilhões. Sua ampliação pela VLI teve início em 2013 e é considerada a maior obra portuária em curso hoje no país – em dezembro chegou a 95% concluída. Atualmente, o Tiplam movimenta 2,5 milhões de toneladas atuais de produtos importados, como enxofre e fertilizante. O projeto de ampliação tem o objetivo de capacitar o porto para exportar granéis agrícolas, além de aumentar a capacidade de recebimento das cargas já operadas. Quando for totalmente entregue, no primeiro semestre de 2017, vai agregar à Baixada Santista capacidade extra de 12 milhões de toneladas por ano em exportação de grãos e açúcar e importação de fertilizantes e enxofre, alcançando 14,5 milhões de toneladas de movimentação em sua estrutura.

“É um momento histórico para a VLI e para a infraestrutura do país. O Tiplam representa uma nova alternativa logística para o escoamento da produção agrícola do país, com foco na agilidade, já que toda a cadeia está integrada à ferrovia”, afirma Fabiano Lorenzi, diretor comercial da VLI.

O carregamento para a Bunge, no sábado, foi também o primeiro que contempla toda a transformação realizada pela VLI no chamado Corredor Centro-Sudeste, uma importante rota de escoamento de granéis agrícolas que, ligado pela Ferrovia Centro-Atlântica (FCA), recebe no Terminal Integrador de Uberaba, Triângulo Mineiro, carga das regiões produtoras do Mato Grosso, Goiás e Minas Gerais, e chega ao Tiplam, que possui acesso exclusivo por ferrovia, diminuindo gargalos na chegada ao porto. Os investimentos neste corredor chegam a R$ 4 bilhões.

Essa integração, somada a soluções logísticas implementadas no Tiplam, possibilitam que a redução no tempo total da cadeia, desde o carregamento no terminal de transbordo até o descarregamento no porto, chegue a 70%. Essas soluções contam com dispositivos como a moega ferroviária, estrutura de 14 metros para descarregamento das cargas dos trens que tem sua maior parte sob à linha férrea, abaixo do nível do mar. Chegada a composição, os vagões são abertos por baixo e a carga é descarregada, sendo direcionada pelas correias transportadoras até os armazéns ou diretamente para os navios.

Outra estrutura que possibilita agilidade no acesso ao terminal é a pera ferroviária, uma solução logística em que a linha férrea é instalada em formato circular, o que permite o transbordo das cargas sem a necessidade de desmembramento do trem, aumentando a eficiência das manobras de entrada e saída dos terminais e reduzindo o tempo de descarga das composições férreas.

Estrutura – Com previsão de ser entregue totalmente no primeiro semestre de 2017, o Tiplam contará com grande infraestrutura para armazenagem de produtos, além de carregamento, descarregamento e atracação de navios.
Serão quatro berços de atracação, sendo um para embarque de açúcar, um para embarque de grãos e dois para descarga de fertilizantes. Além disso, o terminal conta hoje com dois pátios para fertilizantes, com capacidade para 60 mil e 66 mil toneladas. Quando estiver totalmente concluído, o Tiplam terá dois para armazéns de grãos, um de açúcar e outro que pode abrigar tanto açúcar quanto grãos.

Sobre a VLI
A VLI tem o compromisso de apoiar a transformação da logística no País, por meio da integração de serviços em portos, ferrovias e terminais. A empresa engloba as ferrovias Norte Sul (FNS) e Centro-Atlântica (FCA), além de terminais intermodais, que unem o carregamento e o descarregamento de produtos ao transporte ferroviário, e terminais portuários situados em eixos estratégicos da costa brasileira, tais como em Santos (SP), São Luís (MA) e Vitória (ES). Eleita a melhor empresa de infraestrutura do país pelo anuário Épocas Negócios 360º e escolhida como uma das 150 melhores empresas para se trabalhar pela revista Você S/A, a VLI transporta as riquezas do Brasil por rotas que passam pelas regiões Norte, Nordeste, Sudeste e Centro-Oeste.

Sobre a Bunge
A Bunge trabalha diante de um dos maiores desafios do mundo contemporâneo: garantir de forma sustentável a alimentação de uma população em constante crescimento. No Brasil há mais de 110 anos, a empresa é a maior exportadora do agronegócio e uma das principais no setor de alimentos e ingredientes para a indústria alimentícia. São cerca de 17 mil funcionários, que atuam para contribuir com a produção de alimentos e fazer com que produtos de alta qualidade cheguem à mesa de milhares de consumidores todos os dias. Eleita a empresa sustentável do ano de 2015 pelo Guia Exame de Sustentabilidade e reconhecida pela revista Você S/A como uma das 150 melhores empresas para se trabalhar, a Bunge compra e processa grãos, como soja, trigo e milho; produz alimentos, como óleos, margarinas, maioneses, azeite, arroz, farinhas de trigo, molhos e atomatados; presta serviços portuários; produz açúcar, etanol e bioenergia. São mais de 100 instalações no Brasil, entre fábricas, usinas, moinhos, portos, centros de distribuição e silos, em 17 estados e no Distrito Federal. Marcas como Soya, Delícia, Primor, Salada, Cardeal, Salsaretti, Suprema e Gradina fazem parte da história de milhares de pessoas e de uma das maiores empresas de agronegócio e alimentos do Brasil.

Informações à Imprensa
Burson-Marsteller
Bruna Braga | bruna.braga@bm.com | (31) 98414-6052
Ricardo Schwarz | ricardo.ps@bm.com | (11) 3094-2166